sexta-feira, 26 de maio de 2017






TÃO POUCO

(que nos dá tanto...)


É preciso tão pouco para ser feliz.  A sério, não é preciso complicar isto... 
Priorizar, filtrar e seguir em frente, não perdendo energias e voltando aos ninhos que temos. Aí sim, retempera-se forças e ganha-se foco. Para tudo, acho eu...!







segunda-feira, 22 de maio de 2017






SÁBIA NATUREZA





Dizia-te que, por estes dias, tenho que te dividir com tudo aquilo que há para fazer e tudo aquilo que acontece que te afasta de mim. Pressas, correrias, problemas, episódios de vida real que nos chamam à terra, factos e ocorrências que nos tornam pessoas de carne e osso e não príncipes e princesas de historias de encantar.( E ainda bem, isto. Sempre achei as princesas das histórias um bocadinho desenxabidas demais, sempre loiras e frescas e lindas e perfeitas e os príncipes, já agora também.). 
Que há dias em que essa distância me sabe bem e desafoga, porque há vida para além de mim e de ti (e ainda bem) e que há outros dias, em que me aflige, porque tenho saudades tuas e porque sei que me complementas, porque te sinto a falta e porque tenho saudades de nós, das nossas coisas e daquele espaço e tempo só nossos, com regras que criamos e momentos que impomos, com uma felicidade que queremos e um projeto que abraçamos. 
Que tenho que assistir ao nosso partir ao meio, vergados por tanta logística de vida real e ver se, no fim de tudo, continuamos inteiros e incólumes. 
E depois vejo que, num golpe de sábia natureza, tudo se compõe. Sem nada de especial, sem nenhum feito histórico, ou episódio marcante. Só porque sim, num ritmo sábio e contínuo, tudo torna a ocupar o seu lugar e aparecemos aos olhos um do outro como uma escolha de entre mil.
Sabe-me bem que sejas uma escolha de entre mil. Não porque tenham havido mil, mas porque a minha escolha te tornou único. 

LUV U!

quinta-feira, 18 de maio de 2017





ATROPELOS

Há 15 dias que não escrevo aqui no blogue. Acho que é a primeira vez que passo tanto tempo sem escrever, mas de facto, tenho sido centrifugada com coisas para fazer e as réstias de energia desaparecem velozes, atrás da pressa das coisas. As sinapses cerebrais vão-me fazendo click para este, ou aquele assunto, mas tenho-me sentido esvaída de ânimo para vir aqui. Há fases assim, assim como há outras em que, de repente, tudo aparece em turbilhão e os assuntos vêm em catadupa, uns atrás dos outros. E se não têm faltado assuntos por estes dias!
Mas pronto, apesar da fase de sombras em que tenho vivido por estes dias e apesar de me sentir atropelada por um camião, às vezes, hoje o dia será teu e vestirei o fato que mais gosto: o de mãe. 
Este, vai servir-me sempre e essa sensação é impagável!






terça-feira, 2 de maio de 2017





TONELADAS DE PESO


Penso nos meus filhos, penso nos meus sobrinhos e penso nos meus alunos que, sendo (mais) especiais como todos, estão também na escola e é esta a escola e o modelo de escola que conhecem e frequentam.
Penso no que me dizem os alunos e no que tenho para lhes oferecer. Penso nas expetativas dos pais e das mães de todos eles. Penso na forma de estar de tantos professores e do tanto que têm que fazer. Penso no modelo de ensinar. Penso na perceção que acho que todos já temos de que JÁ É MESMO ERRADO ensinar assim. Penso no como poderemos mudar isto, se há uma tonelada de coisas por cima de nós. Penso no quanto gosto de estar na escola. Penso no tanto que há a fazer na escola.
Sim, o artigo de opinião do jornal online O OBSERVADOR, de 27 de abril, intitulado É FAVOR DESOBEDECER, da Cristina Fonseca está muito, muito bom e faz pensar. De facto, o pensamento criativo, a resolução de problemas, a criatividade e a coordenação/gestão de equipas, serão competências importantes a ter em conta breve, breve e deveriam ser ensinadas na escola. Não o são. Não o são, mesmo.
E penso nele, que hoje me disse: - Professora, quando tiver 18 anos, vou sair de casa. Já não suporto os problemas da minha família... e penso em todas as limitações, problemas, comprometimentos, lacunas, défices que tem, irreversíveis e com peso de tonelada, aliados a outros problemas de fragilidades familiares, culturais, sócio-tudo e penso naquilo que nós todos, escola e mundo, lhe podemos oferecer e o coração aperta-se-me como uma ervilha enrugada.
Meu querido, desejo-te o  melhor, quero ajudar-te o melhor que puder e souber, sem alucinações e utopias, só com o possível. Acho que me resta o dia-a-dia, o aqui e agora, a criatividade para te alcançar, o tornar-me, aos bocadinhos, (quem sabe), talvez uma referência. Nem que seja para o desabafo sentido que expressas assim.

É isso, acho...





P.s. E, embora um clássico, vale a pena, com uns toques de humor, ver isto. É que, ser criativo precisa-se mesmo, na escola e em todo o lado!

segunda-feira, 1 de maio de 2017






COISAS DE TERNURA






Ontem (já passa da meia noite), terias feito 75 anos. Passaste no meu pensamento várias vezes, pois não preciso de nada de especial para me lembrar de ti. Assim são também as memórias boas que não queremos esquecer e nos fazem sorrir em silêncio. Coisas de ternura, eu sei.
Nunca deixarás de me fazer falta e as saudades que tenho tuas, nunca me deixarão. São agora suaves como uma brisa de verão, mas estão cá sempre, não me deixam, envolvem-me e fazem parte de mim. E adoro esta foto. Eu, espantada e careca, com olhos grandes de curiosa, com o mundo à minha frente por desbravar e tu, sorridente, sereno e forte, como eras. E assim continuaste, o meu farol e fortaleza até sempre. E mesmo hoje, muitos anos depois desta foto ter sido tirada, era isto que me apetecia outra vez: um colo forte e seguro como só o teu. Um colo de pai.

Love U daddy! 

CONSISTÊNCIA (afinal, é uma palavra gira...) Hoje dizia a uma amiga que não me coíbo, muitas vezes, de me mostrar em desacord...